Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão-de-Obra, Trabalho Temporário, Leitura de Medidores e de Entrega de Avisos no Estado do Paraná.

Rua Nilo Cairo, 450 - Centro - Curitiba/PR - CEP: 80060-050 - Telefone: (41) 3014-7331
Filiado à:

Trabalhadores atentos ao reajuste do salário mínimo

Trabalhadores atentos ao reajuste do salário mínimo


 


Começou a vigorar desde dia 1º de janeiro o novo salário mínimo nacional de R$ 678. “Essa correção na ordem de 9% nos dará argumentos mais efetivos nas negociações salariais de 2013”, lembrou o Diretor de Finanças do SINEEPRES, Gilvan Cohen.
Desde dia 1º de janeiro já esta valendo o novo salário mínimo nacional de R$ 678. O valor até então era de R$ 622. O reajuste de 9% com a correção da inflação, ficou acima do anunciado anteriormente pelo governo (R$ 674).
O valor do salário mínimo é calculado com base no percentual de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano retrasado mais a reposição da inflação do ano anterior pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).
Em 2011, a variação do PIB foi de 2,73%, e a inflação de 2012 medida pelo INPC, de 6,1%. O Orçamento de 2013 - ainda não aprovado pelo Congresso - previa alta do mínimo para R$ 674,96. A proposta original do governo era de aumento de R$ 622 para R$ 670,95, mas o cálculo da inflação foi reajustado, e isso elevou o valor para R$ 678.
“Sabemos que o reajuste de 9% ainda está muito distante do que acreditamos ser justo para os trabalhadores. Porém, não podemos deixar de reconhecer já houve um avanço sim nos cálculos e esse percentual, assim como anos anteriores,  é uma referência para as negociações salariais de todas as categorias profissionais em 2013” destacou Gilvan Cohen. O dirigente sindical lembrou ainda que esse índice é um ‘norte’ para as discussões sobre o novo piso salarial regional. “Ainda assim, temos de ficar atentos a outros cálculos (como o de reajuste da tabela do IR) que podem extrair os ganhos salariais”, alertou ainda Cohen.


 


Post: Rogério Kormann